skip to Main Content
Luxação Da Patela

Luxação da Patela

O que é instabilidade patelar?

O osso da patela (ou rótula) é o maior osso sesamóide do corpo humano. Um osso sesamóide é um osso incorporado em um tendão e funciona para modificar o atrito, diminuir a pressão e controlar a direção da tração muscular. A patela fica em um sulco no osso do fêmur. Quando a geometria do sulco ou o posicionamento da patela é anormal ou ocorre um acidente traumático, a patela se desloca e não acompanha mais adequadamente o sulco. Isso é chamado de instabilidade patelar.

Quem é afetado pela instabilidade patelar?

A instabilidade patelar é uma das lesões mais comuns no joelho nas populações de pacientes pediátricos e adolescentes, mas também pode ocorrer em adultos. As mulheres geralmente são mais acometidas que os homens e a taxa de recorrência para luxação é de 15 a 44%.

O que causa a instabilidade patelar?

A Luxação da patela pode ocorrer por um trauma de maior energia, como num trauma esportivo. Esse tipo de deslocamento geralmente volta ao lugar por conta própria. Os atletas jovens podem sentir muita dor e inchaço na parte da frente do joelho.

Em outros casos a patela pode se desloca por conta própria, com movimentos menos intensos.

Quais são os sintomas da instabilidade patelar?

Os sintomas são:

  • Patela deslocar para o lado.
  • Dor e inchaço na frente do joelho.
  • O movimento do joelho resulta em sons que estalam ou rangem.
  • Há sensibilidade à palpação ao longo da borda medial da patela.
  • Rigidez e dor ocorrem ao retificar o joelho.

Como a instabilidade patelar é diagnosticada?

É realizada uma história completa e exame físico, que analisa a rotação e desvio das extremidades inferiores como um todo, bem como um exame focado do joelho. A ênfase é colocada em como a patela acompanha a amplitude de movimento do joelho. Radiografias também são essenciais para avaliação inicial.

Além disso, uma ressonância magnética pode ser feita após uma luxação traumática se o joelho permanecer instável na amplitude de movimento ou se houver uma lesão na cartilagem da rótula ou do fêmur solto na articulação. Outros exames, como a tomografia computadorizada, podem ser solicitados conforme necessidade no eventual planejamento de uma cirurgia.

Qual é o tratamento para a instabilidade da patela?

Se a rótula não voltar ao lugar (reduzir) por conta própria, é necessário cuidado médico imediato para reduzir a patela. As luxações iniciais geralmente são manejadas de forma não operatória com repouso, imobilização e muletas. Após um período de descanso, a fisioterapia geralmente é iniciada para fortalecer os músculos do joelho, o que ajuda a impedir que a rótula escorregue para fora do encaixe.

Existem algumas circunstâncias em que o tratamento cirúrgico pode ser necessário logo no primeiro episódio de luxação. Em casos de luxação aguda da patela em que um pedaço de cartilagem se solta no joelho. Isso é chamado de corpo livre e precisa ser removido, e em alguns casos reparado.

Se o paciente tiver luxações patelares recorrentes (a rótula continua a sair do sulco com frequência) apesar do tratamento não cirúrgico, ele pode ser um candidato a um procedimento cirúrgico para realinhar a rótula e colocar a patela em uma posição melhor, além da reconstrução do ligamento patelo-femoral medial que é um importante estabilizador da patela. O tipo de tratamento dependerá dos achados da avaliação.

O tempo de recuperação dependerá do tipo de cirurgia necessário para o tratamento da instabilidade da patela. A manutenção da boa força muscular é essencial para minimizar as luxações recorrentes no futuro.

Back To Top